18 de junho de 2010

No silêncio dos olhos

Em que língua se diz, em que nação,
Em que outra humanidade se aprendeu
A palavra que ordene a confusão
Que neste remoinho se teceu?
Que murmúrio de vento, que dourados
Cantos de ave pousada em altos ramos
Dirão, em som, as coisas que, calados,
No silêncio dos olhos confessamos?

José Saramago

com a devida vénia, de Os Poemas Possíveis, Editorial Caminho, Outubro de 1998

Sem comentários:

Enviar um comentário