8 de outubro de 2009

[a incandescência dos arbustos cobre-te]

a incandescência dos arbustos cobre-te
de inércia e de silêncio - a vida
simulada por uma respiração de veias e
de nervos tensos que atam a memória
das coisas ao tempo - labirinto de corpos
esvoaçando na lentidão da noite - os dedos


escavam uma saída no sonho escuro
evades-te
através da linguagem possível - foges
à desolação do século


deserto onde as refeições de louva-a-deus
não curam a melancolia queimada pelo desejo
nem a alegria fúnebre do coração




Al Berto


com a devida vénia, de Revista Limiar, nº. 9, in O Último Coração do Sonho, Quasi Edições, Fevereiro de 2000

Sem comentários:

Enviar um comentário