1 de novembro de 2010

[Pondero a têmpera, a feição]

Pondero a têmpera, a feição
dos novos, ingénuos
utensílios, avalio
a transparência mineral dos gestos
mais antigos e das lágrimas
defuntas, agora calcinadas.
                                         Cedo
ao mármore a insalubre
vocação do silêncio.

Albano Martins

com a devida vénia, de VOCAÇÃO DO SILÊNCIO, Poesia (1950-1985), Prefácio de Eduardo Lourenço, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Fevereiro de 1990

Sem comentários:

Enviar um comentário