25 de agosto de 2010

Olhar

Entre o dia que morre
e a noite que vem
uma lágrima escorre
no silêncio de alguém

- silhueta que vi
e ainda me seduz
ao passar por aqui
como um raio de luz

cada vez mais perdido
do seu rosto de sol
agora adormecido
nesta sombra que engole

cada último passo
a caminho do nada
como se nenhum espaço
fosse a minha morada

Fernando Pinto do Amaral

com a devida vénia, de Poemas escolhidos (1990-2007), Publicações Dom Quixote, Lisboa, Abril de 2009

Sem comentários:

Enviar um comentário