6 de setembro de 2010

A FESTA DO SILÊNCIO

Escuto na palavra a festa do silêncio.
Tudo está no seu sítio. As aparências apagaram-se.
As coisas vacilam tão próximas de si mesmas.
Concentram-se, dilatam-se as ondas silenciosas.
É o vazio ou o cimo? É um pomar de espuma.

Uma criança brinca nas dunas, o tempo acaricia,
o ar prolonga. A brancura é o caminho.
Surpresa e não surpresa: a simples respiração.
Relações, variações, nada mais. Nada se cria.
Vamos e vimos. Algo inunda, incendeia, recomeça.

Nada é inacessível no silêncio ou no poema.
É aqui a abóbada transparente, o vento principia.
No centro do dia há uma fonte de água clara.
Se digo árvore a árvore em mim respira.
Vivo na delícia nua da inocência aberta.

António Ramos Rosa

                                                          de Volante Verde, 1986

com a devida vénia, de O POETA NA RUA, Selecção, e Prefácio de Ana Paula Coutinho Mendes, Quasi Edições, Julho 2005

1 comentário:

  1. Preciso... há mais no vão entre as palavras, no branco entre as linhas, no inaudito que no dito... Belo! ;)

    ResponderEliminar