6 de março de 2010

[vacilando]

Bêbado
o seu ombro
ilumina as esquinas

e duma ave nocturna
que o ultrapassa
o voo fosforece
a seu lado

em vez da lagosta de Nerval
arrasta em copo
pelo silêncio inquebrável

ninguém vê a santidade
desse halo de hálito.

Sebastião Alba

com a devida vénia, de UMA PEDRA AO LADO DA EVIDÊNCIA, Antologia Poética, Selecção, apresentação e notas de Vergílio Alberto Vieira, Campo das Letras - Editores, S.A., 2000

Sem comentários:

Enviar um comentário