18 de fevereiro de 2010

Ozias Filho - "génesis"

     ...Que as palavras forcem seu limite e eu, que as destruo em mim,
                       em mim as force e no seu absurdo me esbanje e grite...
                                        (Nauro Machado, do livro "Campo Sem Base")


génesis


e no princípio
era o silêncio

e Deus
criou o verbo

e aprisionou para sempre
o silêncio dentro do homem

Ozias Filho

com a devida vénia, de Páginas Despidas, Edição de Ardósia Associação Cultural, Outubro de 2005

1 comentário: