26 de fevereiro de 2010

ENGATE

No silêncio largo
- uma pérgula -

chuvisca
(míngua bem planejada)

um quase-que-sorriso.
Vem a resposta: um lóbulo

de frase, uma meia-palavra,
uma vírgula. Uma isca, enfim.

Os olhos, no entanto, largos,
não dão trégua.

Mais adiante, serão, talvez, o suor, a urtiga, o fêmur,
a língua, milhões de palavras, glândulas e tempestades.

Mas, antes, atam gestos
mínimos, manuelinos.

Eucanaã Ferraz

com a devida vénia, de Rua do Mundo, Quasi Edições, Janeiro 2007

Sem comentários:

Enviar um comentário