1 de janeiro de 2010

O SILÊNCIO

Quando a ternura
parece já do seu ofício fatigada,

e o sono, a mais incerta barca,
inda demora,

quando azuis irrompem
os teus olhos

e procuram
nos meus navegação segura,

é que eu te falo das palavras
desamparadas e desertas,

pelo silêncio fascinadas.

Eugénio de Andrade

com a devida vénia, de POESIA, Fundação Eugénio de Andrade, Setembro de 2000

1 comentário:

  1. Caro Domingos,

    Grato por compartilhar tal pérola!


    Grande abraço,
    Adriano Nunes.

    ResponderEliminar