1 de julho de 2010

Cultivo doméstico

O cheiro da menta
no canteiro improvisado
entrou depressa demais
nos meus pulmões.
O ar tornou-se um silêncio incómodo
- pouco e frio. Essas palavras,
que íamos agora ouvir, a apagarem-se
diante dos meus olhos. E a acenderem-se
logo depois, debaixo das tuas pálpebras.
Os néons substituíram toda a mobília
do quarto: já não a vejo.

Descobrimos a seguir os vapores
que se levantavam das minhas
mãos, até das chávenas vazias.
E calámo-nos.
Quase nada do que foi plantado
resistiu ao domínio da hortelã.
Os outros versos nunca chegaram a existir.

Margarida Ferra

com a devida vénia, de CURSO INTENSIVO DE JARDINAGEM, &etc, Maio de 2010

Sem comentários:

Enviar um comentário