1 de fevereiro de 2010

RUÍDO

Sapateando na noite,
o comboio faz tã-tã
(assim o julgo).

Porém alguém a meu lado
diz que não consegue adormecer
por causa do trape-trape
das rodas nos carris.

Está visto: cada um ouve
o comboio como quer.

E afinal o comboio nada faz
senão um silêncio aterrador.
Nós é que lhe fazemos o ruído.

A. M. Pires Cabral

com a devida vénia, de QUE COMBOIO É ESTE, Edições Teatro de Vila Real, Dezembro de 2005

Sem comentários:

Enviar um comentário