26 de janeiro de 2010

RITOS FINAIS

pintas camaleões nas folhas secas do meu jardim de outono
fazes muito bem
só peço-te não machuques o peixe-espada que não sabe mais
esgrimir porque o tornaste durante um século prisioneiro
no aquário escuro das nossas lembranças

preparas os sais e os aromas para o ritual do teu banho
tão logo os primeiros galos acordem a manhã
anunciando a minha morte
fazes muito bem
só peço-te não apagues do meu rosto as chuvas que caíram
pesadas em londres ou paris - não me lembro ao certo -
naquele ano de 1911 quando eu vivia de tocar violino nas gares
em troca de moedas para garantir miseráveis côdeas
de pão e uma pequena parte de vinho

ajeitas o trapézio no ponto mais alto que a tua imaginação convém
fazes muito bem
só peço-te para fechar os olhos quando eu cair estatelado no asfalto
depois da vigésima quinta pirueta
sem que nenhum aplauso me faça despertar

aí então aproxima-te do que de mim ficou e cobre o meu silêncio
com os sorrisos e as cinzas que juntaste
ao longo dos nossos quarenta e quatro últimos carnavais


________________________________________________

Júlio Saraiva,
São Paulo, Brasil

________________________________________________

mais poemas do autor, aqui

________________________________________________

3 comentários:

  1. domingos,

    colocar-me perto deste mestre do verso que é albano martins é uma honra. e vou parafrasear aqui drummond: "botam a gente comovido como o diabo." obrigado, meu bom e sempre amigo.

    j.

    ResponderEliminar
  2. amigo domingos,

    estar aqui ao lado deste mestre do verso, que por acaso nasceu no mesmo dia que eu, ou foi resgistrado - ou registado -, 6 de agosto, é para mim honra que só você, amigo, me podia conceder.
    obrigado.

    j.

    ResponderEliminar
  3. amigo domingos,

    conceder-me um lugar próximo deste mestre do verso que é albano martins, que tanto gosto, até porque nasceu no mesmo dia que eu, 6 de agosto - ou foi resgistrado ou registado -, me honra. obrigado.

    j.

    ResponderEliminar