14 de junho de 2009

IN MEMORIAM


     à minha Mãe




Desaba o sol, o silêncio,
a dor no coração da terra
comovida; na levada


do tempo, no rigor da noite,
para sempre, desmedida.
Desaba a luz, o sentido - a vida.




Domingos da Mota

5 comentários:

  1. Domingos,

    Poeticamente lindo e tocante, forte!


    Abraço forte!
    Adriano Nunes.

    ResponderEliminar
  2. Caro Adriano Nunes,

    Agradeço a visita e o comentário.

    Abraço,

    DM

    ResponderEliminar
  3. Prezado Domingos,
    Acompanho seus blogs, embora não comente.
    Quebro hoje o silêncio para te dizer que me comove a delicadeza e amplidão deste pequeno poema, ao qual muitas vezes retorno.
    Um abraço,
    João Renato.

    ResponderEliminar
  4. João Renato,

    Agradeço a sua visita e o comentário. O poema também me toca muito a mim.
    Obrigado.

    Domingos da Mota

    ResponderEliminar